19
Dez
09

Conta-me como foi… o ZX Spectrum.

Eu nos finais dos anos 80 e inicio dos 90 passei muitos horas da minha vida a jogar no ZX Spectrum de 48K (sim… o 48K é o que voçês pensam).

O tempo passou… e vejo que 50% do tempo que passei a jogar no Spectrum… foi a olhar para o ecrã enquanto carregava o jogo.  Devido a esse facto, eu vou proporcionar neste blog uma experiência deslumbrante para aquelas pessoas que nasceram na década de 90, ou para aquelas pessoas mais velhas que não tiveram o privilégio de estar em contacto com o Spectrum.

Quero deixar uns comentários antes de analisarem o vídeo:

– para aqueles que nasceram na decada de 90 (ou posterior), deve parecer altamente estupido pensar que alguem esperava 4 minutos para jogar o magnifico Out Run (que eu na altura era simplesmente perfeito…).

– Pensando bem… para quem nasceu na década de 90… esta versão do Out Run é ridicula…

– Não se esqueçam de ver o vídeo com som para uma melhor experiência (e estejam descansados que a diversidade de informação visual e sonora dos primeiros 4 minutos não tem qualquer poder hipnótico nem controlador da mente).

Agora já sabem o que é que as pessoas entre os 25-35 anos viram e ouviram durante a sua infância… 🙂


3 Responses to “Conta-me como foi… o ZX Spectrum.”


  1. 1 Zontor
    19 de Dezembro de 2009 às 10:07 am

    Isso é que era, eu também tinha o 48k onde o leitor de cassetes não vinha integrado e tinha-se de utilizar um transportável, os walkman, essa outra maravilha tecnológica que os mp3 vieram copiar 😛 ainda não existiam 🙂 e apesar de se poder baixar o volume do leitor de cassetes para não se ouvir aqueles sons normalmente até era tocado no máximo por diversas razões:
    – estar-se no outro lado da casa na cozinha a fazer o lanche enquanto o jogo entrava, para quando parasse o barulho irmos jogar
    – havia jogos que eram cassetes dos 2 lados e tinhamos de saber quando lá voltar para a rodar (mais de 15m alguns a carregar)
    – e consoante o som de algumas partes dava para associar que o jogo não ia entrar (pois é muitas vezes brecava no carregamento e toca a rebobinar e a começar do inicio)

    e depois de tar o jogo ai de kem mandasse algum murro na mesa ou batesse com força no teclado (Que era integrado com o computador) e o jogo bloqueava e não havia save’s 😛 era voltar a meter a cassete do inicio e esperar de novo e nesse tempo coitado do amigo/irmão/pai/edp com falta de energia que tinha causado o bloqueio 🙂

    velhos tempos….

    • 2 Kal-Al
      19 de Dezembro de 2009 às 8:19 pm

      O meu 48k tambem não tinha leitor de cassetes incorporado… 🙂

      Infelizmente a minha mãe… fez-lhe aquilo que tu sabes… GrrrrRRrrr!!! Mas ainda me lembro das teclas “fofinhas” :p

  2. 3 NPP
    2 de Fevereiro de 2010 às 1:40 am

    Eu cheguei a ter um 128k (acertei, certo?) e TINHA leitor de cassetes incorporado. Bem, estávamos à frente da tecnologia! Mas até lá era o bom do velho leitor de cassetes, que não era um walkman, era um gravador, dakeles meio grandes (em comparação)…
    E os sintetizadores, hem, hem??? Eu era a maior no Bruce Lee… Saudaaaades!


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s


RECOMENDAÇÕES

Visitem a categoria: CASUAL CINEMA
Dezembro 2009
S T Q Q S S D
« Nov   Jan »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

My Twitter Space


%d bloggers like this: